terça-feira, 7 de agosto de 2012

ANTES de ganhar uma "ENTEADA" ou melhor, uma "PRINCESA"


Hoje quero relatar um pouco das relações que existem entre madrastas e enteadas, desmistificando o que a gente normalmente tende a imaginar que aconteça talvez tão influenciado pelas histórias dos contos de fadas ou que vemos na ficção e, infelizmente, em alguns casos reais, de madrastas que maltratam ou enteadas que fazem tudo para infernizar a vida dessa nova figura feminina que surgiu em sua vida. Isso porque muitas vezes a mãe ainda está viva e eles imaginam que foi a madrasta a responsável pelo afastamento dela do pai.

Quero aqui compartilhar o que penso:

Enganam-se aqueles que pensam que amor e dedicação a uma filha só podem vir de quem a gerou em seu ventre ou que foi a ela ligada por uma adoção.
Cada vez mais mulheres têm mostrado que é possível, sim, uma madrasta amar, cuidar e se relacionar bem com a enteada, dedicando-lhes um sentimento bem diferente da idéia que comumente se faz dela,
independente de morarem juntos ou não.
Embora não tenham como intenção ocupar o lugar da mãe, 
muitas vezes ainda viva, no coração e no dia a dia da filha, 
as madrastas também sabem como dar a ela esse tipo de amor, 
que para muitas delas não têm como classificar, 
mas que se aproxima, à sua forma, do amor maternal.
Obviamente sem a pretensão de tomar o lugar da mãe!!!

A odontóloga Rosa Alina Andrade de Oliveira Freitas
sempre adorou crianças.
Quando começou a namorar seu hoje marido, Djenal Freitas, 
ele já tinha uma filha, a Brenda,
na época com oito anos de idade, e
desde então elas passaram a manter contato intenso.
A garota passava o dia na casa dele e os finais de semana no sítio dos avós paternos, então elas se encontravam sempre. 
Foi uma paixão instantânea entre as duas.
“Quando ela estava por perto lhe dava total atenção, brincando, conversando, passeando e assim ela logo se apegou também” disse, acrescentando que nessa época Brenda morria de ciúmes do pai com ela.

Como sabia disso, Rosa tentava evitar qualquer situação que 
pudesse deixá-la enciumada e
que levasse a aborrecimentos para as duas.
A dentista conta que nunca sentiu ciúme da enteada, 
mas achava natural a menina sentir.
Dessa forma foi fácil conduzir as coisas para que nunca entrassem em atrito.
“Passamos toda a fase do namoro (quatro anos) muito amigas.
Estudava com ela, brincávamos como crianças, a ‘sequestrava’ para minha casa na saída da escola e ela muitas vezes dormia por lá”, contou.

Por conta dessa boa convivência, esse relacionamento não mudou quando eles casaram. “Sempre fui muito maternal, meu sonho sempre foi ser mãe e Brenda preencheu exatamente esse lugar do meu coração”, disse.
Depois de seis meses de casada, a adolescente foi morar com o casal, onde já tinha um quarto preparado para ela. Segundo Brenda, ultimamente as duas não passam muito tempo juntas, pois ela tem aula pela manhã e à tarde e Rosa trabalha e estuda.
“Mas sempre que conseguimos um tempinho jogamos conversa fora, em casa mesmo. Faz tempo que não fazemos algo só nos duas”, disse.
A madrasta contou que não faz as vezes de mãe, 
mandando estudar e arrumar a bagunça.
Deixa isso para o pai. 
“Limito-me a dar conselhos quando acho importante e tratá-la com carinho.
Nossa convivência é bem tranqüila,
existe muito respeito de ambas as partes”, relatou.

Quando li essa história pela primeira vez, achei quase impossível a relação ser tão boa entre a “madrasta” e a “enteada.”

Hoje, posso dizer que Rosa tem total razão...

Antes de me tornar madrasta, que em minha opinião deveria chamar-se "BOADRASTA",
eu fazia e comia os alimentos ainda quentes.
Eu não me preocupava com o que teria no café da manhã, no almoço, no lanche da tarde ou no jantar!!!
A Discovery Kids era um canal inutilizado por mim kkkkkk...
Filmes infantis???? Quase nunca assistia...
Hoje assisto ao mesmo filme várias e várias vezes!!!
Eu não tinha roupas manchadas, 
tinha calmas conversas ao telefone.
Antes de ganhar essa princesa,
eu dormia o quanto eu queria,
Nunca me preocupava com a hora de ir para a cama e muito menos com a hora de acordar aos finais de semana!
Eu não me esquecia de escovar os cabelos, passar cremes, enfim, 

cuidava de mim 100% kkkk...
Antes de ter essa princesa por perto, 
eu mantinha tudo no lugar o tempo todo...
Ficava impaciente com bagunça rs... 
Hoje eu não me importo com a baderna que ela faz!!!
Eu não tropeçava em brinquedos, não me preocupava em fazer o “tetê” e nem pensava em canções de ninar.
Eu não me preocupava se minhas plantas eram venenosas ou não...
Antes de ganhar essa princesa linda, eu tinha controle sobre a minha mente,
Meus pensamentos, meu corpo e meus sentimentos, e dormia a noite toda.
Antes disso tudo, eu nunca tive que segurar uma criança chorando,
porque cortou a mãozinha, caiu, ou simplesmente por estar com sono rs...
Nunca fiquei gloriosamente feliz com uma simples risadinha.
Nunca brinquei tanto de bola, de pintar, de fantasiar-se, enfim, nunca havia passado horas e horas FELIZ por ver um sorriso tão meigo e puro...
Antes de ganhar essa princesa, eu nunca segurei uma criança, só por não querer afastar meu corpo do dela.
Eu nunca senti meu coração se despedaçar, quando não posso estancar uma dor.
Nunca imaginei que uma coisinha tão pequenina, 
pudesse mudar tanto a minha vida e
que pudesse amar alguém tanto assim. E não sabia que eu adoraria ser a "boadrasta" dessa princesa.
Antes de conhecê-la, eu desconhecia a sensação, de ter meu coração fora do meu próprio corpo. Não conhecia a felicidade de alimentar uma criança faminta ou
de esquentá-la quando está com frio...
Não conhecia esse laço que existe entre um adulto e uma criança.
E não imaginava que algo tão pequenino, pudesse fazer-me sentir tão importante.
Afinal, antes de tudo isso, eu nunca me levantei à noite toda, para me certificar de que tudo estava bem. 
Nunca dei tanto banho em uma criança “cantarolando”, nunca brinquei tanto embaixo do chuveiro, nunca levei uma criança do chuveiro para o quarto enrolada em uma toalha igual minhoquinha kkkkkkkkk...
Nunca me imaginei tendo que entreter uma criança para conseguir lavar os cabelos, pentear e secar...
Nunca pude imaginar o calor, a alegria, o amor, e 

a satisfação de ter uma criança linda por perto.
Eu não sabia que era capaz de ter sentimentos tão fortes.
Por tudo e, apesar de tudo, obrigada Deus, por eu ser agora um alguém tão frágil e tão forte ao mesmo tempo.

Jamais desejo tomar o lugar da mãe, afinal, mãe é mãe... 
Mas trato-a e amo-a como se minha fosse...
Obrigada meu Deus, por permitir-me ser a "boadrasta" 

da criança mais linda do mundo!

6 comentários:

  1. LINDAS PALAVRAS MEL, SUA DECLARAÇÃO DEVERIA SERVIR DE EXEMPLO PARA AQUELAS QUE REALMENTE AGEM COMO MADASTRA!!!!BJS E QUE DEUS CONTINUE ABENÇOANDO ESSE RELACIONAMENTO.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Simone... Espero que sirva de exemplo sim!!! DEUS abençoe vcs tbém... Mais uma vez obrigada lindona!!!

    ResponderExcluir
  3. Muito bom, Parabéns pelas palavras!! Que Deus continue Abençoando a todos!!! bjs...

    ResponderExcluir
  4. Obrigada Diego... Que DEUS continue abençoando todos vocês também!!! Beijos!!!

    ResponderExcluir
  5. Eu nunca duvidei que vc seria essa maravilhosa "boadrasta", pois sempre tratou minhas filhas com muito amor e carinho (elas te amam) e tbm nunca duvidei que vc fosse merecedora de tanta felicidade. Pra vc, uma pessoa tão verdadeira e solícita, o meus sinceros PARABÉNS!

    ResponderExcluir
  6. Obrigada Lilian... Eu sempre fui e sou APAIXONADA pelas suas pequenas... Amoooooo demais essas bonecas... Todos nós somos merecedores de felicidade... Principalmente vcs que são uma família exemplo, vcs são "modelo" em todos os sentidos de família... Amo vcs... Saudades mil... Beijocas e até breve... Estou morrendo de saudades das minhas bonecas rsrs...

    ResponderExcluir